Arquivo do mês: setembro 2007

Adamastor

Adamastor, upload feito originalmente por Miguel Galves.

 

Dia sem carro

Ontem, dia 22 de setembro, foi o Dia Mundial sem Carro.

Segundo o site da prefeitura de São Paulo, este é um “evento internacional realizado anualmente no dia 22 de Setembro. Esta mobilização vem ocorrendo há alguns anos em muitos países e tem como objetivo combater a poluição do ar, a emissão excessiva de gases efeito estufa, e estimular a adoção de políticas públicas de transportes coletivos de boa qualidade e o uso de modos não motorizados de transportes.”

Na dúvida, fiz o meu final de semana mundial sem carro. Passei sábado e domingo andando pelas ruas do Itaim e passeando no Parque do Ibirapuera. Devo dizer que não senti falta alguma do carro. Aliás, tenho ido muito a pé trabalhar: 30 minutos de caminhada de manhã e mais 30 a noite. Muito agradável.

Não sei se o dia sem carro obteve muito sucesso aqui em Sampa. Não sei quais foram as medidas tomadas pela prefeitura para incentivar isto. Suspeito que nada em particular. Se não me engano, em cidades europeias os transportes públicos são gratuitos neste dia. Bastante justo.

Mas qual o real sentido de um dia como este? Com certeza não é parar a cidade. Isto é impossível. E dependendo do que se pretende fazer, é muito difícil não usar o carro. Mas acho que um ponto interessante a ser levado em conta é que apesar do carro ser um modo muito eficiente para transporte individual, ele é muitas vezes utilizado em excesso.

Explicando melhor: muitas atividades que poderiam ser feitas a pé muitas vezes são feitas de carro. Simplesmente pelo hábito e pela comodidade. Eu sei disso muito bem, acontece comigo constantemente. Quando eu não tinha CNH, tinha o ótimo hábito de ir até o correio de bicicleta (na época o correio não chegava na chácara, tínhamos caixa postal). Bastou eu pode dirigir que nunca mais usei minha bicicleta para isso. Na época, dirigir era novidade. Hoje já não é mais tanto, e eu aprecio cada vez mais não ter que usar o carro em São Paulo.

Sem contar que andando, podemos perceber coisas que não vemos normalmente. Casas, vilas (existem pelo menos 10 de casa até o trabalho), pequenos bares, botecos e restaurantes, gente nas ruas, ruas cheias de lojas (mostrando que sim, existe vida fora de shopping centers), grupos de colegas de trabalho fazendo happy hours no final do dia, tomando chopp e aproveitando os finais de dias quentes. Numa cidade complicada como esta em que vivo, com violência, assaltos, seqüestros, pobreza, e outras coisas tristes que vemos aos montes nos programas policiais, poder andar pelas ruas e ver tudo isto é reconfortante.

Olhos

Olhos, upload feito originalmente por Miguel Galves.

 

Klingon

Final de dia, baita tédio e cérebro pedindo água.

Vago pela internet, lendo feeds e sites aleatóriamente. Caio num texto que fala sobre uma menina/moça/mulher que resolveu criar uma linguagem própria, que ela decide chamar de Toki Pona. A linguagem tem 100 palavras, e alguns provérbios como ante li kama (Change comes. Times change. ). Lendo um pouco mais descubro que ela resolve divulgar na Internet. E como no mundo da informação existe louco pra tudo, consegue formar uma comunidade. Tem até site:  http://tokipona.org/.

Lendo um pouco mais descubro que existe um site especializado em repertoriar línguas artificiais: Langmaker.com.

E chego ao ápice ao descobrir um site específico da língua Klingon. Sim, os Klingons, eternos malvados da mítica série Star Trek!

Na verdade nem todos são malvados, apenas aqueles que mataram o filho do comandante Kirk, o que por sinal o deixa com um rancor pro resto da vida. O Tenente Wolf, chefe da segurança da Enterprise comandanda pelo comandante Picard (quase 100 anos depois) é gente boa.

O Klingon language institute repertoria frases, palavras, sons e tudo o que é necessário para se tornar quase um nativo.

Neste momento, me pergunto: será que o Gnomo verde do computador possui uma língua específica?

Preciso parar de tomar tanto café…

Blog de F1

O meu amigo André Maranhão,  ex-colega de trabalho e de mestrado, acabou de inagurar um blog dedicado à Fórmula 1 e automobilismo em geral. Vale a pena dar uma conferida.  (http://blog4auto.blogspot.com/)

Triste biografia

Da Folha de S. Paulo:

 “ARGENTINA: MORRE 1º DRIBLADO POR MARADONA
Juan Domingo Cabrera, 54, morreu segunda-feira, em Salta (ARG), em decorrência de uma pneumonia. Futebolista que fez carreira no Talleres e no Vélez, ele acabou se notabilizando por levar o primeiro drible de Maradona. O lance ocorreu em 20 de outubro de 1976, na estréia do camisa 10 no profissionalismo, pelo Argentinos Juniors. Na jogada, Maradona fez a bola passar por entre as pernas de Cabrera.”

Google Fligth Simulator

Eu não sei vocês, mas como bom amante de aviação vira e mexe eu me pegava brincando com o recurso de  perspectiva do Google Earth e ficava fingindo que estava voando sobre as paisagens foto realistas. Bem, agora não preciso mais fingir: a nova versão do Google Earth traz um mini simulador de vôo embutido. Para ativar, basta apertar Command + Alt + A (maiúsculo) no Mac, ou Ctrl + Alt + A (maiúsculo) no Windows.

Seleção do avião

O sistema permite escolher entre dois aviões (um monomotor ou um caça de guerra) e escolher um aeroporto numa pequena lista.  Os controles não são dos mais sensíveis, e tenho dúvidas do realismo da física do vôo. Mas dá pra se divertir bastante. O vôo sugerido com decolagem em Katmandu permite sobrevoar montanhas belíssimas (Himalaia?). O visual vale a pena.

gefs2.jpg