Arquivo da categoria: Literatura

“SEM ALMA NÃO SE CHUPA NEM UM CHICA-BON”

“SEM ALMA NÃO SE CHUPA NEM UM CHICA-BON”, NELSON RODRIGUES

Matéria sobre a FLIP da revista Expresso, por Bianca Pinto Lima.

Anúncios

Livro do momento

Quando Nietzsche chorou

Filme e Livro

Ontem fui ver o filme Os 12 trabalhos, contando um dia na vida de Héracles, ex interno da Febem tentando conseguir um emprego como motoboy em São Paulo. Vale a pena ver.

Hoje comecei a ler Berenice Procura, do Luiz Alfredo Garcia Roza. Já falei sobre ele neste blog. gosto bastante dos livros dele. É um policial ambientado em Copacabana. Um travesti aparece morto semi enterrado na praia. Ao contrário dos outros que eu li do autor, o personagem central não é o detetive Espinoza, mas uma taxista chamada Berenice.

Em comum entre o filme e o livro, pessoas tentando sobreviver no submundo. Batalha diária.

Museu da Língua Portuguesa

Ontem, após almoçar no mercadão municipal, fui visitar o Museu da Língua Portuguesa na Estação da Luz em São Paulo. Muito bom! E muito barato: 4 reais o ingresso inteiro, 2 reais a meia, gratuito aos sábados e pra professores da rede pública.

O museu tem 3 andares. No primeiro, são organizadas exposições temporárias. Atualmente tem uma sobre o “Grande Sertão Veredas”, de Guimarães Rosa.

No segundo andar, existem três seções. Uma parte é dedicada à história do português. Outra parte mostra a forma de falar em diversas regiões do Brasil, através de filmes projetados numa imensa galeria. A terceira parte se chama o beco das palavras: os visitantes podem, com as mão, agrupar e compor palavras projetadas sobre um painel digital. As palavras compostas são então explicadas através de vídeos e imagens projetadas na mesa.

No terceiro andar, são feitas apresentações multimídias com vídeos e leituras de poemas. Dura 30 minutos. Muito bem feito e gostoso de assistir.

É bom ver que este trecho do centro (Estação da Luz, Pinacoteca e Parque da Luz) está muito bem conservada e agradável de se visitar. Quem sabe um dia o centro inteiro de Sampa não fique assim…